14 set

O motorista contratante de seguro de automóvel ainda pode escolher como deseja receber o valor do sinistro (indenização), na hipótese de perda total. O direito à escolha chegou a ser ameaçado por um projeto de lei em favor das seguradoras, mas a proposta foi recusada pelos parlamentares.

Assim, atualmente, o pagamento de indenização aos segurados pode ser efetuado de duas formas, o varia de acordo com igual número de modalidades, segundo informou a Susep (Superintendência de Seguros Privados). Por essa razão, que é importante debater com o corretor todas as cláusulas do contrato. É lá que será possível definir como receber o valor da indenização.

Por exemplo, caso a contratação tenha sido assinada com os termos da opção Valor Determinado, o motorista receberá o valor total definido na apólice. Agora, se optou pela modalidade “Valor de Mercado Referenciado”, conforme sugere o próprio nome, o valor do sinistro será correspondente à tabela de conferência de cotação para o carro, previamente fixada na proposta.

Ainda conforme informou a Susep, o próprio segurado é quem determina o valor da Importância Segurada do veículo ao escolher a modalidade que atenda suas necessidades, já que os preços do seguro (prêmio) são distintos.

Renovação

Com a necessidade de renovar o contrato do seguro do carro e até mesmo uma eventual troca de seguradora, o contratante pode se surpreender negativamente com valores e exigências por parte da empresa. As especificações passaram pelas entrelinhas do contrato e, para não cair no mesmo erro novamente, o motorista deve levar em consideração algumas orientações das entidades de proteção ao consumidor.

Ao renovar o seguro do carro é importante verificar a forma de pagamento da indenização, de modo a evitar surpresas. O valor do sinistro pode ser maior ou menor no momento do pagamento. Isso porque o valor de mercado, estipulado no momento da assinatura da proposta, sofre alteração, além da aplicação do fator de ajuste. Esse fator é determinado pelas características do veículo ou de seu estado de conservação, que deverá ser determinado em forma de percentual para constar na apólice de seguro.

Segundo o Procon, a identificação da tabela de referência e de uma segunda tabela, no caso de extinção da primeira, deve constar do contrato. Adicionalmente, no caso de seguro de veículo zero quilômetro, deve-se definir em contrato o período de tempo, não inferior a 90 dias, para proceder a indenização do veículo sinistrado com perda total. Em caso de recusa, procure o Procon.

Apólice: em caso de aumento, negocie com o corretor

O perfil do usuário supostamente alterado durante o prazo de vigência da antiga apólice pode determinar um preço maior no valor do seguro. Se o contratante se deparar com um valor mais alto a pagar, a obrigação do corretor é de explicar detalhadamente os motivos do reajuste, que pode estar camuflado na alteração do perfil ou comportamento do interessado. O preço do contrato é definido pela seguradora e não pelo corretor. Vale ressaltar que não há uma proporção de diminuição do preço do serviço em função da desvalorização do carro de um ano para outro. O condutor, então, deve esclarecer este ponto com o corretor, que deve informar ainda que os custos de reparos de mão-de-obra de mecânica e funilaria de um veículo usado são os mesmos para um modelo zero quilômetro. A mesma regra é valida para a reposição de peças originais e serviços mecânicos, orientam as entidades de defesa do conumidor.

Utilize a política de pontos das promoções

Nem todos os casos reservam um custo adicional na renovação do seguro do carro. Há situações em que o motorista pode pagar o mesmo valor pelo serviço em relação ao contrato anterior, como também até menos. O preço não deve subir quando, por exemplo, o condutor utilizar-se da política de pontos bônus que ganha de um ano para o outro devido a mudança do perfil do motorista e segurados.

Por exemplo, o preço de um seguro para um condutor de 25 anos é maior do que para um de 35, já que usuários mais jovens tendem a sofrer mais acidentes, indicam as pesquisas.  Se o carro deixou de pernoitar na rua também leva pontos, assim como mudança de endereço para regiões com menor incidência de roubos de carros.

Fonte: Jornalcash

Popularity: 1% [?]



About the Author: Garra Seguros
Especialista em seguros (31)4103-4652




Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>