28 mar
O destaque ficou com os planos VBGL, que arrecadaram R$ 3,2 bilhões, alta de 22,73% na comparação com janeiro de 2010. O produto é indicado ao investidor que não declara imposto de renda pessoa física pelo modelo completo de declaração anual de ajustes.
A arrecadação dos planos PGBL’s cresceu 22,50% em janeiro e movimentou R$ 506,9 milhões. Estes planos são voltados para quem utiliza o modelo completo da declaração anual de ajustes do imposto de renda pessoa física. Já os planos tradicionais totalizaram aportes no valor R$ 257,6 milhões no período. Outros produtos de previdência (FAPI, PGRP e VGRP) arrecadaram R$ 1,1 milhão.
Os dados da Fenaprevi mostram que em janeiro de 2011 nos planos individuais foram efetuados aportes no valor de R$ 3,3 bilhões, apresentando um crescimento de 22,26% na comparação aos R$ 2,7 bilhões arrecadados em janeiro de 2010. Os planos empresariais, por sua vez, tiveram alta de 17,72% e arrecadação de R$ 518,4 milhões. Já os aportes para os planos para menores registraram R$ 131,8 milhões, alta de 20,82%.
As seguradoras administram atualmente 11,9 milhões de contratos ativos. Segundo o balanço do setor, o número de titulares de planos que já usufruem de aposentadoria privada chegou a 76,5 mil.
Em relação à carteira de investimentos – diversas modalidades de ativos que garantem as obrigações corporificadas nas provisões – o segmento de planos de caráter previdenciário cresceu 21,47% em relação ao ano anterior. Com isso, a carteira do setor totalizou R$ 225,2 bilhões, em comparação aos R$ 185,4 bilhões de janeiro de 2010.
De acordo com o balanço da Fenaprevi, a carteira relacionada aos VGBL’s obteve alta de 28,77%, passando de R$ 97,8 bilhões para R$ 126 bilhões do total do valor dos investimentos. Já aquela referente aos PGBL’s cresceu 16,18% no período, elevando-se de R$ 48,7 bilhões para R$ 56,6 bilhões entre janeiro de 2010 e 2011. Por fim, a carteira atrelada aos planos tradicionais evoluiu de R$ 38,3 bilhões para R$ 42,1 bilhões, alta de 9,84%. Nos demais produtos, FAPI, PRGP, VRGP, a alta de 0,62%.
As provisões – recursos acumulados pelos titulares dos planos de caráter previdenciário abertos – apresentaram saldo de R$ 218,8 bilhões em janeiro de 2011, com alta de 22,63% em comparação ao saldo registrado no mês mesmo em 2010, quando somaram R$ 178,4 bilhões.
As provisões de VGBL’s tiveram o crescimento mais expressivo. Saltaram 29,45% passando de R$ 98,1 bilhões para R$ 127 bilhões. As provisões do PGBL’s cresceram 25,71% em janeiro de 2011 passando de R$ 48,5 bilhões para R$ 56,2 bilhões. Nos planos tradicionais as provisões passaram de R$ 31,2 bilhões para R$ 34,9 bilhões no período, com alta de 11,82%.
Com relação a market share, os planos VGBL’s mantiveram a liderança no volume de provisões, com 58,07% do total, seguidos pelos PGBL’s, com 25,71%, enquanto os planos tradicionais contaram com 15,99%. Outros produtos – incluindo os Fapi – completam a equação, com 0,23%.[7]
A Bradesco Vida e Previdência liderou o ranking de arrecadação em janeiro de 2011 com 29,33% do total dos aportes, seguida pela BrasilPrev (27,70%), Itaú Vida e Previdência (20,29%), Santander Seguros (7,14%), Caixa Vida & Previdência (6,32%), HSBC Vida e Prev. (3,73%), Icatu Seguros (0,93%), Sul America Seg. e Prev. (0,74%), Safra Vida e Prev. (0,71%), Porto Seguro (0,55%). As demais operadoras somam, no total, 2,57% da arrecadação de aportes.

O destaque ficou com os planos VBGL, que arrecadaram R$ 3,2 bilhões, alta de 22,73% na comparação com janeiro de 2010. O produto é indicado ao investidor que não declara imposto de renda pessoa física pelo modelo completo de declaração anual de ajustes.
A arrecadação dos planos PGBL’s cresceu 22,50% em janeiro e movimentou R$ 506,9 milhões. Estes planos são voltados para quem utiliza o modelo completo da declaração anual de ajustes do imposto de renda pessoa física. Já os planos tradicionais totalizaram aportes no valor R$ 257,6 milhões no período. Outros produtos de previdência (FAPI, PGRP e VGRP) arrecadaram R$ 1,1 milhão.
Os dados da Fenaprevi mostram que em janeiro de 2011 nos planos individuais foram efetuados aportes no valor de R$ 3,3 bilhões, apresentando um crescimento de 22,26% na comparação aos R$ 2,7 bilhões arrecadados em janeiro de 2010. Os planos empresariais, por sua vez, tiveram alta de 17,72% e arrecadação de R$ 518,4 milhões. Já os aportes para os planos para menores registraram R$ 131,8 milhões, alta de 20,82%.
As seguradoras administram atualmente 11,9 milhões de contratos ativos. Segundo o balanço do setor, o número de titulares de planos que já usufruem de aposentadoria privada chegou a 76,5 mil.
Em relação à carteira de investimentos – diversas modalidades de ativos que garantem as obrigações corporificadas nas provisões – o segmento de planos de caráter previdenciário cresceu 21,47% em relação ao ano anterior. Com isso, a carteira do setor totalizou R$ 225,2 bilhões, em comparação aos R$ 185,4 bilhões de janeiro de 2010.
De acordo com o balanço da Fenaprevi, a carteira relacionada aos VGBL’s obteve alta de 28,77%, passando de R$ 97,8 bilhões para R$ 126 bilhões do total do valor dos investimentos. Já aquela referente aos PGBL’s cresceu 16,18% no período, elevando-se de R$ 48,7 bilhões para R$ 56,6 bilhões entre janeiro de 2010 e 2011. Por fim, a carteira atrelada aos planos tradicionais evoluiu de R$ 38,3 bilhões para R$ 42,1 bilhões, alta de 9,84%. Nos demais produtos, FAPI, PRGP, VRGP, a alta de 0,62%.
As provisões – recursos acumulados pelos titulares dos planos de caráter previdenciário abertos – apresentaram saldo de R$ 218,8 bilhões em janeiro de 2011, com alta de 22,63% em comparação ao saldo registrado no mês mesmo em 2010, quando somaram R$ 178,4 bilhões.
As provisões de VGBL’s tiveram o crescimento mais expressivo. Saltaram 29,45% passando de R$ 98,1 bilhões para R$ 127 bilhões. As provisões do PGBL’s cresceram 25,71% em janeiro de 2011 passando de R$ 48,5 bilhões para R$ 56,2 bilhões. Nos planos tradicionais as provisões passaram de R$ 31,2 bilhões para R$ 34,9 bilhões no período, com alta de 11,82%.
Com relação a market share, os planos VGBL’s mantiveram a liderança no volume de provisões, com 58,07% do total, seguidos pelos PGBL’s, com 25,71%, enquanto os planos tradicionais contaram com 15,99%. Outros produtos – incluindo os Fapi – completam a equação, com 0,23%.[7]
A Bradesco Vida e Previdência liderou o ranking de arrecadação em janeiro de 2011 com 29,33% do total dos aportes, seguida pela BrasilPrev (27,70%), Itaú Vida e Previdência (20,29%), Santander Seguros (7,14%), Caixa Vida & Previdência (6,32%), HSBC Vida e Prev. (3,73%), Icatu Seguros (0,93%), Sul America Seg. e Prev. (0,74%), Safra Vida e Prev. (0,71%), Porto Seguro (0,55%). As demais operadoras somam, no total, 2,57% da arrecadação de aportes.

Fonte: FINAPREVI

Popularity: 1% [?]



About the Author: renato